A história dos vitrais

Dos defeitos de fabricação dos vidros à belíssima artes das janelas

Dos dicionários, vitral é uma vidraça de cores ou pinturas sobre o vidro; bastidor com vidros com que se fecham portas e janelas. Mas quem já esteve diante de um vitral pode garantir que é bem mais que isso. Só um vitral pode transformar uma simples janela em algo rico e esplendoroso.

Entre muitas histórias, estudiosos afirmam que os vitrais, com poucas diferenças técnicas dos que são produzidos hoje, surgiram na Europa no século XII. Dos defeitos de fabricação dos vidros, que davam tons diferentes segundo sua combinação química, nasceu a idéia de se aplicar nas aberturas das janelas uma composição harmônica com diversas dessas cores.

A História do vitral acompanha a história da humanidade. Entre os séculos XII e XV, na Baixa Idade Média, as estruturas feudais começaram a desmoronar. O capitalismo logo apareceu e as cidades começaram a tomar forma.

Essa era a época das Cruzadas Religiosas. O homem medieval era, acima de tudo, um servidor de Deus.

Na Arquitetura desponta­-se o estilo Gótico das grandes Catedrais. E é aí que se encaixam os vitrais.

A Arquitetura Gótica substituiu a Românica, que com suas grossas paredes impossibilitavam grandes janelas. À medida que a arquitetura foi se aperfeiçoando, as paredes das Igrejas foram gradativamente sendo substituídas por grandes vitrais.

Finalmente, as Igrejas passaram a ser projetas em função dos vitrais. Buscava­se o efeito mais rico e a decoração mais completa, procurando ao mesmo tempo o máximo de luz e o máximo de cor no interior das Igrejas.

Além de decorar, a função educativa dos vitrais era fundamental. Com eles se ensinava ao povo, por meio da médica luminosidade de suas cores, as histórias e relatos contidos nas Escrituras Sagradas. E eram nesses relatos e histórias que deviam crer.

Há ainda a função da iluminação espiritual representada representada pelo vitral.

As janelas envidraçadas que estão nas igrejas e pelas quais (…) se transmite a claridade do sol, significam as Santas Escrituras, que afastam de nós o mal, enquanto nos iluminam“, descreveu Pierre de Roissy, chanceler de Chartres e diretor da Escola de Teologia na época em que se construía a Catedral, por volta de 1200.

A arte do vitral chegou ao auge quando foi construída a Catedral Notre Dame de Chartres, França, por volta de 1200. Ela apresenta 176 vitrais, muitos deles, ainda hoje, originais.

A prática deste colocar vitrais em igrejas se manteve por muitos séculos. Porém, com o passar do tempo e com as guerras, essa prática acabou se esvaindo. Muitos vitrais foram perdidos durante esse processo.

Foi na Modernidade que a arte do vitral foi redescoberta. Em especial na Espanha. Agora, além dos temas religiosos, os vitrais retratam o gosto do cliente. Com paisagens figuras humanas, objetos e também formas modernas e abstratas. E juntaram­se aos tradicionais vitrais em vidro e chumbo, os vitrais cimentados e os feitos com copper­foil.

Hoje, os vitrais têm presença marcante nas Igrejas de todo o mundo e conquistou seu espaço nas residências. Pode­se vê­los também proporcionando estilo a bares,escritórios e restaurantes.

A Kingdom vitrais vem, há mais de 30 anos, trabalhando com a arte do vitral. Com inúmeros Igrejas no currículo, a empresa se orgulha de, ao longo desses anos todos, mesmo conhecendo e aplicando novas técnicas, manter, nos vitrais que faz, sua essência verdadeira e tradicional.